Notícias

31/03/2017
Aplicação prática dos conteúdos empolga estudantes
Uma tarde toda de atividades intensivas. 57 estudantes do 8º ano divididos em três equipes, cada uma em uma sala de aula trabalhando conteúdos relativos a nove disciplinas de forma prática. Em cada sala, uma equipe de dois professores e dois auxiliares conduzem as atividades de maneira integrada e cronometrada – a cada 20 minutos as turmas mudam de sala para aprender os novos conteúdos ou vão para o pátio da escola e para a quadra para atividades práticas relacionadas aos desafios propostos em sala. Nos corredores, os auxiliares monitoravam o tempo e as mudanças de sala. Tudo de forma dinâmica e divertida e quem olhava de fora se surpreendia: os professores, alunos do 2º ano do Ensino Médio do Colégio do Bosque Mananciais aplicando no Colégio Estadual Sebastião Saporski na tarde da quinta-feira (30) o projeto Vale a Pena Estudar. Os auxiliares, alunos do 1º ano, já aprendendo o mecanismo do projeto para aplicar em outras escolas e instituições também. “É impressionante como os alunos mantiveram a atenção e a concentração, mesmo com as atividades sendo conduzidas por adolescentes pouco mais velhos do que eles”, avalia a diretora do Sebastião Saporski, Viviane Magli Bajerski.
O objetivo do projeto, desenvolvido desde o ano passado, é levar a colegas de outras escolas ou instituições um dia de aulas e competições que envolvam todas as disciplinas e a sua aplicação nas profissões que serão escolhidas no futuro. “A evasão escolar no final do Ensino Fundamental é algo que nos preocupa muito, por isso decidimos fazer essa ação com outros colégios”, explica Giovanni H. Bianchi, estudante do 2º ano e coordenador da ação.
Em cada sala foram trabalhados três assuntos: Química, Física e Inglês; Matemática Português e Biologia; e História, Geografia e Espanhol. Para cada assunto, foi feita uma exposição teórica e foram propostas atividades práticas. Uma das que mais empolgou os estudantes foi a relativa a Física e Química, a construção e o lançamento de foguetes com garrafas pets. “Foi uma tarde muito divertida, o que mais gostei foi o foguete, mas as atividades de português também me empolgaram bastante”, disse Mateus Antunes, de 13 anos.
Bryan Patrick Santana Santos, de 13 anos, era um dos mais empolgados nas competições que aconteciam em relação a cada disciplina. “Gostei de ter professores quase da mesma idade, a gente consegue se comunicar e entender muito bem eles. Como gosto muito de estudar, achei esse projeto bem legal”. A prática e entender a aplicação das disciplinas estudadas na escola para a vida profissional do futuro é o que mais encantou o Pedro Lucas de Araújo, de 12 anos. Ele respondeu todas as perguntas de espanhol e se empenhou bastante nas atividades. “Foi tudo muito empolgante. Com a prática, aprendemos muito mais do que copiando. Tenho certeza que vou gravar para sempre muito do que aconteceu nesta tarde”, empolga-se Pedro.
As meninas mostraram que também se empolgam com a área de exatas. Larissa Nascimento de Moura e Thaisa Marcelo Govatiski, de 13 anos, estavam na equipe que preparou o foguete que teve um dos lançamentos mais altos no teste. “Gosto muito de matemática, mas o que mais me chamou a atenção foi a física e a química com o lançamento do foguete”, disse Larissa. Para Thaisa, além do foguete, a atividade de biologia, que envolveu o estudo de inseto, foi bem interessante. Foi também o que mais chamou a atenção de Hevelyn Vieiga, de 14 anos. “Biologia, física e espanhol foram o que mais gostei”. A alegria dos alunos no final da tarde foi resumida pelo Fernando Henrique Ruperth, de 13 anos. “Tudo o que aprendi aqui me incentivou ainda mais a seguir a carreira que sonho, de delegado de polícia”.
Ao final da atividade todos preencheram uma prova teórica e os pontos de cada um nas atividades práticas serão tabulados durante a próxima semana. No dia 11 de abril será a grande premiação dos alunos que se destacaram, em um evento que deverá reunir no Colégio Estadual Sebastião Saporski professores e familiares dos alunos.
Assessoria de Comunicação